Book – a revolução tecnológica

 Revisto em  10/04/2014

Aqui fica a sugestão de alguns books espantosos e revolucionários:

O Cálice e a Espada, Riane Eisler, Via Optima Editora

Tantra, o culto da feminilidade, André Van Lysebeth, Grupo Editotial Summus

Corpo de mulher, sabedoria de mulher, Christiane Northrup, Editora Sinais de Fogo

A cama na varanda, Regina Navarro Lins, Editora Best Seller

O Ponto de MutaçãoFritjof Capra, Editora Culturix

Este post é especialmente dedicado aos alunos avançados das 18h….hehehe 🙂

As árvores e os livros

As árvores como os livros têm folhas
e margens lisas ou recortadas,
e capas (isto é copas) e capítulos
de flores e letras de oiro nas lombadas. 

E são histórias de reis, histórias de fadas,
as mais fantásticas aventuras,
que se podem ler nas suas páginas,
no pecíolo, no limbo, nas nervuras. 

As florestas são imensas bibliotecas,
e até há florestas especializadas,
com faias, bétulas e um letreiro
a dizer: «Floresta das zonas temperadas». 

É evidente que não podes plantar
no teu quarto, plátanos ou azinheiras.
Para começar a construir uma biblioteca,
basta um vaso de sardinheiras.

 Jorge Sousa Braga, Herbário, Lisboa, Assírio & Alvim, 1999   

Devo ser o que sou

‘Às vezes penso que se fosse uma magnólia quereria ser uma laranjeira, se fosse uma águia quereria ser um cavalo ou se fosse quadro quereria ser uma fotografia. Esqueço-me que devo ser o que sou. Pela evidência de ser o único que tenho e posso ser e, porque, só quando gostar disso é que posso tocar a felicidade e passá-la. Fico a pensar que perdemos demasiado tempo em querer dar laranjas, em galopar velozmente ou em ser o flash de um instante supremo. Quando, na verdade, o que podemos fazer é chegar a dar muitas e belas flores, voar cada vez melhor ou tornarmo-nos até num Rembrandt. Cada qual deve acabar por pegar na própria vida nos braços e beijá-la’.

Arthur Miller