Yôga e auto-conhecimento

Na prática de Yôga há três coisas que devem estar presentes para se alcançar o auto-conhecimento:

 Tapas (auto-superação): o praticante deve observar constante esforço sobre si mesmo no sentido de fazer melhor a cada dia.

O verdadeiro praticante de Yôga não é necessariamente  aquele que faz as técnicas mais acrobáticas com o corpo, mas é sem dúvida aquele que se entrega, que está na prática por inteiro e que dá o melhor de si. É aquele que se motiva e cresce com os desafios e não esmorece perante as dificuldades.

– Swádhyáya (auto-estudo): o yôgin deve buscar o auto-conhecimento através da observação de si mesmo.

O auto-estudo é um dos pilares da prática. A nossa mente deve estar presente em cada técnica. Mas é uma mente “observadora” e não “julgadora”. Observe-se sem fazer juízos de valor, não se critique e não se rotule. E principalmente, não se compare com os outros.

– Íshwara pranidhána (auto-entrega): o yôgin deve estar sempre interiormente seguro e confiante em que a vida segue o seu curso, obedecendo a leis naturais e que todo o esforço para a auto-superação deve ser conquistado sem ansiedade.

Não tenha expectativas. No Yôga o mais importante é manter a regularidade na prática. O Yôga é o caminho, é o dia-a-dia. Por isso, saboreie cada prática, cada técnica, cada nova experiência  sem ficar demasiado focado nos resultados.

desenho

A prática é uma espécie de laboratório onde nos desafiamos e testamos, mas principalmente onde nos observamos e nos vamos conhecendo. Se por um lado a prática reflecte quem somos, por outro ajuda-nos a ser quem desejamos ser.

Em cada prática, procure trabalhar a sua atitude perante a vida. Por exemplo, se durante a aula desiste e fica desmotivado perante as dificuldades, então provavelmente o mesmo acontece na sua vida quando se depara com estímulos semelhantes. Se é difícil concentrar-se durante a aula, talvez sinta essa mesma dificuldade quando está a trabalhar ou a estudar. Se tem por hábito comparar-se com os colegas enquanto pratica, talvez tenha o hábito de comparar a sua vida com a dos outros. Os exemplos são infinitos.

O que somos e o que fazemos é igual, dentro e fora da sala. Por isso, a auto-observação é essencial para que possa começar a construir uma versão melhor de si próprio. Quando praticamos as técnicas do Yôga estamos a construir um novo corpo, se praticarmos com consciência construiremos um novo ser!

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s